XXI Congresso de Medicina Interna será de referência para a Medicina Geral e Familiar

Subordinado ao tema “Os elos da Medicina Interna”, o XXI Congresso Nacional de Medicina Interna terá lugar em Vilamoura, de 29 a 31 de maio. Em entrevista ao Jornal Médico, Luís Campos, presidente do evento, destaca alguns dos momentos do programa, apelando à participação não só dos internistas, mas também dos profissionais que constituem as equipas multidisciplinares dos serviços, e dos especialistas de MGF, que “poderão encontrar temas do seu interesse durante todo o congresso”.

Luís Campos começa por explicar o tema escolhido para esta edição do Congresso. Segundo refere, a ideia dos “elos” remete para a “posição nuclear” da Medicina Interna no hospital, “enquanto especialidade que coordena e articula a intervenção das outras, junto dos doentes que tratam, nas urgências, nas enfermarias, nos cuidados intermédios, nos cuidados intensivos, nos hospitais de dia e nas consultas externas”.

“Evoca o nosso papel como líderes de equipas multidisciplinares e as pontes que fazemos com as outras profissões, tão importantes para os resultados que obtemos. Enfatiza também a nossa vocação sintetizadora e a nossa capacidade de agregarmos outras áreas do saber. Lembra-nos ainda outras parcerias em que precisamos reforçar os nossos elos, como sejam as associações de doentes, os clínicos gerais e a academia”, acrescenta o diretor do Serviço de Medicina do Hospital S. Francisco Xavier/Centro Hospitalar Lisboa Ocidental.

Numa altura em que “outros delimitam fronteiras para se afirmarem”, Luís Campos afirma que a ocasião é oportuna para “reafirmar que a força da Medicina Interna reside na capacidade para transpor fronteiras, construir pontes e estabelecer parcerias”, o que acredita ser “a melhor forma de fazer bem aos doentes”.


Imprimir